[RESENHA] O Reino Que Não Era Deste Mundo

Titulo: O Reino Que Não Era Deste Mundo


Autor: Marcos Costa

★★

Gênero: História

Editora: Valentina

Ano: 2015

Paginas: 280


 Olá pessoal, tudo bem com vocês ? Essa é a segunda parte do projeto, "História Nossa: O Brazil" e como sendo o segundo livro, esse é uma excelente opção, e vocês já irão saber o a razão disto ;) então vamos lá...

Sinopse:

“Uma conspiração maquiavélica que beira as raias do absurdo. Mais do que duas forças políticas, duas elites disputando um ardiloso jogo de xadrez. Um tsunami prestes a engolir os donos do poder. E você, de que lado estaria? Para entender o Brasil de hoje é preciso entender os bastidores de uma disputa pelo poder que começa em 1831 e envolve nada mais, nada menos que alguns dos principais personagens da nossa história. De um lado, os monarquistas, os novos-ricos, D. Pedro I, Duque de Caxias, Barão de Mauá, D. Pedro II, Princesa Isabel, Conde D’Eu; do outro, é claro, os republicanos, os escravocratas, os cafeicultores, Barão de Cotegipe, Benjamin Constant, Quintino Bocaiúva, Floriano Peixoto. Nas cenas derradeiras, em 1889, o enfermo Imperador D. Pedro II está vindo de Petrópolis. No Rio de Janeiro, duas conspirações estão prestes a se chocar. Em uma das frentes, a Princesa Isabel trama a transição para o Terceiro Reinado. Na outra, os republicanos colocam em marcha planos sediciosos para proclamar a República. No meio, o Marechal Deodoro terá que escolher um dos lados. Ambas as elites caminham sobre um vulcão em erupção. E o povo... o povo, como sempre, está à mercê de sua própria sorte, sua péssima sorte. ”

O Autor:

Marcos Costa, formado em História pela UNESP (Campo de Assis), e se tornou mestre e doutor em história social também pela Unesp, é escritor, historiador, professor universitario e pesquisador. Também escreveu os livros "A História do Brasil Para Quem Tem Pressa" "Para Uma Nova História" "Escritos Coligidos: Textos de Sergio Buarque de Holanda" e "O Homem Que Não Quis Ser Imortal".

Resenha:


Este livro, é dividido em 3 partes, cada uma tão simples de se entender, simplesmente ao ler, porém simplesmente tão complexo ao imaginar melhor a situação, e os acontecimentos narrados por ele, sendo a parte I “A Nova Ordem Mundial”, a parte II “A Conspiração” e a parte III “Crônica de Uma Republica Não Proclamada”, narra de forma simples, e de fácil compreensão o imenso jogo de xadrez chamado Brasil, e como suas conspirações, disputas pelo poder e convicções pessoais sempre deixaram a nação à deriva, (e deixam até hoje rsrs).
 O foco desde o início é mostrar de certa forma, as intrigas e disputas pelo poder, e a trajetória do livro vai narrando inúmeros acontecimentos e as principais ações maquiavélicas que levavam as disputas pelo poder e as intrigas, desde a independência do Brasil em 7 de setembro de 1822, as crises e “conspirações” que levaram a abdicação de Dom Pedro (que de fato o levou a Portugal e a uma guerra sangrenta contra seu irmão Dom Miguel) e como os acontecimentos destas passagens permitiram a coroação do ainda jovem Dom Pedro II que levaria o Brasil ao maior período de estabilidade que o Brasil já se encontrou, a incontestável e importantíssima participação do ilustre Duque de Caxias, e seu necessário papel na garantia de estabilidade e soberania da nação (dentro e fora do nosso território) e como isso garantiu a estabilidade necessária para que Dom Pedro II junto a Princesa Isabel e Conde D’Eu pudessem lutar pelo fim da escravidão em luta de mais de 30 anos.
 Mostra de forma sucinta como se deu a necessidade de se encontrar um “bom marido” a Princesa Isabel, o que levou ao encontro de Conde D’Eu, e como sua visão progressista influenciou a mentalidade da mesma, e eram compatíveis com a de Dom Pedro II, como a guerra do Paraguai ajudou a dar pleno poderes aos militares que através do golpe proclamariam a republica juntos à Benjamin Constant (o verdadeiro.... Mentor em partes do golpe) e como a batalha política entre Princesa Isabel e o Barão de Cotegipe (sendo ele a favor da manutenção da escravidão e sendo Isabel contra a escravidão) levaram ao surgimento por exemplo do partido republicano, e a união dos escravocratas que se unirão contra a família imperial após a lei Áurea que libertou os escravos e 1888 e como isso levou a proclamação em 1889 (que levou ao poder a oligarquia rural).


"Quando o projeto passou em ultima discussão, o povo que enchia as tribunas, as galerias e todo espaço livre por trás do recinto irrompeu em grandes aplausos e aclamações que Abaeté, agitando com as mãos trêmulas a campainha de prata, por pouco tempo tentou em vão dominar. Na tribuna do corpo diplomático estava, entre outros, o ministro dos Estados Unidos. Quando a sessão terminou, desceu ele ao recinto e colheu com as próprias mãos algumas flores das que o povo atirava a Rio Branco e aos senadores que sustentaram o projeto. Vou mandar essas flores ao meu país, declarou, para mostrar como aqui se fez desse modo, uma lei que lá custou tanto sangue." 
(trecho retrata a aprovação da Lei do Ventre Livre no senado, retirado do livro pagina 174)

Apresentando passagens muito interessantes que narram, mostram com clareza como pessoas como Quintino Bocaiúva e Benjamin Constant levaram Deodoro e Floriano a orquestração do golpe, e como isso aconteceu de forma tão rápida (por exemplo e não sendo spoiler claro rsrs como em menos de 15 dias isso aconteceu na verdade), sendo esses acontecimentos que surpreenderam a população da época, que assistiu tudo sem demostrar reações afinal, nada era fácil de compreender, e a expulsão da família imperial do Brasil (em uma madrugada chuvosa) afinal, a aprovação da população para com Dom Pedro era a maior de todos os tempos, não era um período de crise e o Brasil se encontrava a um período realmente longo sem crises significativas, diga-se de passagem, era o “auge” da monarquia, da aprovação popular, e um acontecimento estranho, um golpe para derrubar do poder a mesma monarquia que era progressista e imaginava um país livre, simplesmente para manter o estado como ele era exatamente, um golpe para manter o país como era e não para mudar (o que é estranho diga se de passagem hehehe) afinal, geralmente se é o contrário e um golpe leva a uma mudança de poder, não é feito para se manter tudo como se era antes. 

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.