[RESENHA] O Mistério Final

Titulo: O Mistério Final 

Autores: Anna Lee & Carlos Heitor Cony

Editora: Nova Fronteira

Paginas: 128

Ano: 2018 (2007)

Gênero: Infanto Juvenil

ISBN: 978-85-209.3749-5

★★





Sinopse:


 "Este é um livro de despedida. Como o próprio título diz, é o final das aventuras de Carol e o homem do terno branco, pelo menos por enquanto. 
 Não sou boa de despedidas. Meu coração fica apertado e nunca sei o que dizer. É assim mesmo que me sinto agora, enquanto procuro palavras para falar do último episódio da série, sem revelar o que Cony e eu nos recusamos a contar para nossos leitores quando perguntam se nossos personagens acabam juntos. Não podemos e nem queremos tirar a graça do fim da história, e também não vou fazer isso aqui.
 Não posso dizer se Carol e o Homem do Terno Branco têm um final feliz, como nos livros e filmes em que um beijo na boca sela o destino dos protagonistas, indicando que, a partir dali, serão felizes para sempre. Mas posso dizer que 'O Mistério Final" é a hora da verdade entre os dois. A hora em que se olham fundo e não podem mais esconder seus mistérios, o que realmente são e o que sentem. E posso garantir que isso vale muito mais do que um final feliz. 
 Ah! Também posso dizer que neste encontro surge até um duende. Como assim? Bem, isso cada leitor vai ter que desvendar por conta própria. 
 - Anna Lee" 

Os Autores: (informação do livro) 


Anna Lee: É mineira, de Belo Horizonte, jornalista, escritora, roteirista e doutora em literatura pela PUC-Rio, com estágio doutora em Sorbonne Nouvelle Paris III. Escreveu vários livros, entre eles, O Beijo da Morte, ganhador do Prêmio Jabuti 2004 - Categoria Reportagem e Biografia que em breve ganhará nova edição, revista e atualizada. Trabalhou no jornal Folha de São Paulo e na Editora Globo, entre outros. Atualmente é roteirista na TV Globo. 

Carlos Heitor Cony: nasceu no Rio de Janeiro em 1926. Estreou na literatura ganhando por duas vezes o Prêmio Manuel Antônio de Almeida, com os romances A Verdade de Cada Dia e Tijolo de Segurança. Considerado um dos maiores expoentes do romance neorrealista brasileiro, também se dedicou à crônica, aos ensaios, às adaptações de clássicos e aos contos. Ganhou quatro vezes o Prêmio Jabuti, duas vezes o Prêmio Nacional Nestlé de Literatura. Em 1998, foi condecorado pelo governo francês com a L'Ordre des Arts et des Lettres. Foi eleito para a academia de Letras em março de 2000. Atualmente é colunista da Folha de S. Paulo e comentarista da rádio CBN. 
O Livro:

 O livro, "O Mistério Final" é o último livro da coleção " Carol e o Homem do Terno Branco", sendo a coleção completa contendo 5 livros, sendo respectivamente eles "O Mistério das Aranhas Verdes", "O Mistério da Coroa Imperial", "O Mistério das Joias Coloniais", "O Mistério da Moto de Cristal" e por último "O Mistério Final" sendo o objetivo desta resenha, o último livro. Sendo lançado originalmente em 2007, e agora com uma segunda edição em 2018 (onde ganhei de cortesia em um sorteio no skoob :P ).

A Resenha:


 O Mistério Final, mesmo sendo o último livro da coleção (foi o primeiro que eu li rs), mas no geral, não estragou em nada, pelo que senti, não houve em momento algum a falta da leitura dos primeiros para este, afinal, é tudo bem exemplificado, e mesmo com poucas palavras se tem noção de quem seja o “Homem do Terno Branco” e mesmo assim, a aparição dele é mínima, e com relativa pouca participação na estória.


 Assim começa a narrativa, Carolina, ou como chamada, Carol, mora na cidade do Rio de Janeiro, com sua mãe, é uma adolescente com 16 anos, ou melhor dizendo, como ela diz em vários momentos mesmo “quase 17” (coitada, mal sabe que essa época é uma das melhores rsrs).

 Tenta levar uma vida normal (mesmo resolvendo tantas questões de investigação e mistérios no qual acabou se envolvendo nas aventuras anteriores) estudando para o ENEM que está se aproximando, até que um dia ela recebe a ligação de uma senhora, que diz que seu neto está correndo perigo. E a partir deste ponto se desenrola a estória, onde também já é narrado o caso de dois desaparecimentos sendo que um dos jovens desaparecidos foi encontrado morto e despedaçado por feras.

 O livro se encaixa no contexto da literatura infanto-juvenil, a leitura foi de meu agrado? Não, não conseguiu me agradar, a forma que as passagens são descritas, muito mesmo a forma que a Carol atua, mas no geral o livro é ruim? Também não, pode agradar a muitas pessoas, é pura questão de gosto neste sentido da questão.

 Os mistérios do livro são na verdade meio vazios, sem sentido, tudo se desenrola de uma forma rápida, e até sem graça, com uma aventura, que na verdade não tem nada de aventura, apenas poucos passeios, e um grupo que na verdade não coloca medo, e a forma que usaram foi sem sentido para seu desenrolar na estória.

 O livro tem uma narrativa que pode se comparar aos livros de Pedro Bandeira, sendo a sua coleção principal, a dos Karas (que eu considero os melhores livros nesta categoria, sendo a “Droga da Obediência” o livro que me despertou o interesse pela leitura).

 No geral, não fui muito fã do livro, não agradou a leitura, mas como disse é questão de interesse mesmo, achei a ação fraca e sem sentido, sendo que esse livro eu ganhei em um sorteio cortesia no Skoob (depois de um ano tentando finalmente rsrs), tem um estilo próximo aos livros de Pedro Bandeira, mas não se tem comparação, com seu estilo mais frenético e desenrolar viciante de leitura.


0 comentários:

Postar um comentário